A era das grades – Polo gastronômico de Nilópolis vira inferninho – parte 2

Cerca de 7 meses atrás, a Folha de Nilópolis registrou o abandono do local apelidado de “polo gastronômico” mas que na verdade é uma bomba relógio. Passado esse tempo, o que estava ruim, ficou pior graças ao abandono da Prefeitura de Nilópolis que insiste em não combater a desordem pública.

Essa é a parte 2, da postagem: De área residencial a bagunça – Polo gastronômico de Nilópolis vira inferninho – parte 1 . Se você não viu, é recomendado a leitura.

Os moradores do entorno da Rua Alberto Teixeira da Cunha passam por mais dificuldades. A ocupação das calcadas eram a prova do “pode tudo” em Nilópolis, muitos comerciantes fazem das calçadas a sua extensão comercial. Para controlar essa expansão, alguns moradores tiveram que instalar portões para conter o a expansão desordenada.

Não o bastante, boa parte dos comerciantes estão ocupando a rua literalmente. Quem passa durante a noite pode conferir a “privatização” da pista. Grades foram colocadas, fazendo uma contenção do espaço,controlando quase metade da rua. O Abuso é tanto que para entrar em alguns desses estabelecimentos, você é obrigado a entrar pela rua, já que, as calçadas ficam completamente bloqueadas.

Outro problema que ficou pior, é o início do “inferninho” que começa no miolo da bagunça e vai até o fim da madrugada do próximo dia. ”Até certo ponto todo movimento é normal para a quantidade de comércio mas depois das 10, vem uma garotada beber, cheirar e ficar fazendo arruaça na rua. ” disse uma moradora que não quis se identificar.

Moradores se sentem traídos pela Prefeitura

Coordenador Gesse fiscalizando o comércio no centro. (Foto Oficial)

Um morador da área revelou toda a vizinhança que estão decepcionada e indignada com a Prefeitura de Nilópolis. Segundo ele, houve uma tentativa de acordo no ano passado, porém, só quem ganhou foi os comerciantes. “Eles ganharam iluminação mais forte e acesso ao setor de Ordem Pública, nós perdemos a lei do silêncio, perdemos a segurança e perdemos o direito de ir e vir”.

Promessa não cumprida

Outra questão que revoltou a população, é a falta de operações no “polo gastronômico” para coibir crimes e a desordem pública. “Fomos informados que teria esse trabalho da Prefeitura e Polícia mas nunca fizeram nada, fui informada que várias vezes mas nada foi feito. Fomos abandonados, parece que o Farid só se importa com os comerciantes e fez a Ordem Pública dar as costas pra nós” disse uma moradora que preferiu não se identificar.

Consequências do Abandono

Mesmo com a grande concentração de pessoas, o local não tem um reforço de segurança. No último carnaval, um homem foi morto com diversos tiros durante a madrugada. Cada vez mais casos de violência vai acontecendo e tudo continua a piorar com as brigas que eventualmente acontecem.

Rodrigo Godoi foi morto enquanto estava no “Polo Gastronômico”

Os moradores já levaram o caso para o Ministério Público, já que além do problema inicial, agora virou uma questão de omissão do poder público municipal. “Já que o Farid não garante nosso direito, vamos recorrer a justiça” disse um dos representantes.

Leave a Comment